Paulo Henrique Rodrigues é reempossado na presidência da AsBEA-RS

Paulo Henrique Rodrigues é reempossado na presidência da AsBEA-RS

Na quinta-feira, 1º/12, foi realizada a cerimônia de posse da nova diretoria da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Rio Grande do Sul (AsBEA-RS) para o biênio 2017/2018. O arquiteto Paulo Henrique Rodrigues, diretor da Stemmer Rodrigues, foi reempossado no cargo de presidente da entidade por mais dois anos.

2016_vinidallarosa-5687

Nova diretoria da AsBEA-RS 

A festa ocorreu no Instituto Ling com um coquetel preparado pelo chef Aluisio Sabino. A diretoria da AsBEA-RS recebeu amigos, autoridades, colegas e imprensa e aproveitou a celebração para lançar o anuário da entidade, o livro Modo de Ser. O coquetel ainda marcou o término do seminário Modo de Ser Futuro, realizado no mesmo dia nos turnos da manhã e da tarde no mesmo local.

2016_vinidallarosa-5529

Lançamento do anuário da entidade

Os palestrantes do seminário também confraternizaram, prestigiando a posse da nova diretoria da entidade. Luiz Alberto Oliveira, curador do Museu do Amanhã, Greg Bousquet, do premiado escritório de arquitetura franco-brasileiro Triptyque, Raul Juste Lores, jornalista da Folha de São Paulo e Simone Sayegh, autora do livro infantil de arquitetura para crianças Casacadabra foram alguns dos profissionais que partilharam experiências e muito conhecimento.

2016_vinidallarosa-5197

Profissionais e estudantes marcam presença no Seminário

Sobre a nova gestão, Paulo anunciou que um dos grandes desafios é se comunicar cada vez mais com a comunidade e expandir sua atuação no interior do Estado. “O grande objetivo da AsBEA-RS é trazer de volta a valorização da arquitetura, os tempos em que o arquiteto era realmente valorizado como um personagem importante dentro da sociedade. Quando era consultado em vários temas como interferências urbanas e questões culturais”, comenta o presidente.

2016_vinidallarosa-5564

Equipe do escritório prestigia o evento

Fotos de Vini Dall’Rosa.

Seminário debate o futuro das relações e sua influência na arquitetura

Seminário debate o futuro das relações e sua influência na arquitetura

Concluindo as atividades do ano, a Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Rio Grande do Sul (AsBEA-RS) promove na quinta-feira, 1º/12, das 13h às 19h, o Seminário Modo de ser futuro em parceria com o Instituto Ling.

A frente da AsBEA-RS, nosso diretor Paulo Henrique Rodrigues participou da organização, planejamento e curadoria do evento. Reunindo diferentes profissionais, o seminário tem por objetivo refletir sobre o futuro da arquitetura e das relações humanas diante de tantas mudanças. As inscrições podem ser realizadas no site do Instituto Ling.

Confira o time de palestrantes  

  • Luiz Alberto Oliveira, curador do Museu do Amanhã
  • Greg Bousquet, do premiado escritório de arquitetura franco-brasileiro Triptyque
  • Raul Juste Lores, jornalista da Folha de São Paulo
  • Karla Moroso, arquiteta gaúcha dedicada ao desenvolvimento social
  • Simone Sayegh, autora do livro infantil de arquitetura para crianças Casacadabra
  • Iury S. Lima e Raouda Assaf, representantes de dois exemplos de construção de futuro. Bairro Gente, em São Paulo e Cidade Criativa Pedra Branca, em Santa Catarina, respectivamente
  • Benamy Turkienicz, arquiteto e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) que falará sobre sua experiência na coordenação do Máster Plan do 4º Distrito, em Porto Alegre

Após o evento, a AsBEA-RS realiza a cerimônia de posse da nova diretoria (2017-2018). O nosso diretor, Paulo Henrique Rodrigues seguirá na presidência, dando continuidade ao trabalho de valorização profissional. A cerimônia também conta com o lançamento do livro Modo de Ser Futuro e com a confraternização de final de ano da Associação para convidados e escritórios associados.

Stemmer Rodrigues participa de tour arquitetônico em Minas Gerais

Stemmer Rodrigues participa de tour arquitetônico em Minas Gerais

A capital mineira foi o destino de 12 arquitetos para a viagem realizada pela Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Rio Grande do Sul (AsBEA-RS). Com objetivo de promover o intercâmbio entre os profissionais e os escritórios associados, o roteiro turístico encantou por suas histórias e belezas. Paulo Henrique Rodrigues, presidente da AsBEA e Diretor da Stemmer Rodrigues, acompanhou a viagem, registrando alguns momentos do tour. Confira seus registros no Instagram/stemmer_rodrigues

Bruno Santa Cecília, arquiteto e urbanista do escritório Arquitetos Associados, recepcionou o grupo, apresentando os principais projetos da empresa. No dia seguinte, o grupo visitou Inhotim que é considerado o maior centro de arte contemporânea ao ar livre da América Latina. Lá pode-se conhecer obras de artistas renomados como,  Lygia Pape, Adriana Varejão, Doug Aitken, Yayoi Kusama, dentre outros.

Bruno Santa Cecilia o arquiteto e a inspiração #arquitetura #architecture #maquete #inhotim #brasil #belohorizonte #bh

Uma foto publicada por Stemmer Rodrigues (@stemmer_rodrigues) em

O grupo também conheceu o escritório da BCMF Arquitetos. O arquiteto Bruno Campos, sócio da empresa, apresentou os projetos desenvolvidos, incluindo a renovação do Estádio Mineirão para a Copa do Mundo de 2014. Bruno ainda acompanhou o grupo na visita ao Estádio Mineirão e ao escritório do Google. No final do dia, os arquitetos se reuniram no escritório da BCMF para um happy hour.  

No último dia do tour, o grupo visitou o complexo arquitetônico da Pampulha que reúne obras de Oscar Niemeyer, Burle Marx e Portinari. O projeto, inaugurado em 1943, foi encomendado pelo então prefeito Juscelino Kubitschek. A paisagem histórica inspira a imaginação, principalmente, o Edifício Niemeyer, na Praça Liberdade, que explora os traços curvilíneos.  

#edificioniemeyer #oscarniemeyer #bh #belohorizonte #brasil #modernism #modernismo #arquitetura #architecture

Uma foto publicada por Stemmer Rodrigues (@stemmer_rodrigues) em

Consultório de Psicanálise

Consultório de Psicanálise

Consultório PsicanáliseDuas obras de arte inspiraram este projeto de interiores. De autoria de Walmor Corrêa, as aquarelas Metamorfoses deram o tom ao Consultório de Psicanálise. Elas determinaram a paleta de cores e os desdobramentos do espaço que deveria ser instigante e intimista.

Outro fator determinante foi o curto prazo para realização da obra e o dinamismo proposto pelo cliente. Por isso, optou-se por investir em peças soltas de design que ao mesmo tempo permitiram ambientar e delimitar os espaços. Mesmo sendo um único consultório, criou-se diferentes ambientes integrados, todos desfrutando da vista e da ampla luminosidade da janela.

Consultório Psicanálise

O diferencial é sua concepção que compõe uma metáfora ao próprio espaço. As pessoas quando estão em um consultório de psicanálise buscam conhecer-se e a arquitetura do projeto reflete esse conceito, permitindo atender diferentes faixas etárias e propostas terapêuticas.

O consultório conta com espaço para estudo com pufe colorido, ao centro, e também uma releitura de um consultório clássico, com poltrona e um divã. Na extremidade oposta, um recanto para crianças com mais cores e ludicidade para que se sintam o mais à vontade possível. Dessa forma, cada paciente pode identificar-se com seu universo, com elementos que proporcionam proximidade e acolhimento.

Consultório PsicanáliseCuriosidade: no painel de madeira, que reveste a sala, há um cabideiro exclusivo. A peça assinada pela arquiteta Ingrid Stemmer é modular e composta por peças de 50cm que formam um cabideiro-escultura.

O que deixaremos para o futuro?

O que deixaremos para o futuro?

A ocupação urbana diz muito de seu povo, valores e forma de pensar. Quando se contempla qualquer metrópole, percebe-se nitidamente a participação dos arquitetos: sua intervenção dá uma contribuição importante para a construção das cidades e aponta, através de projetos presentes, caminhos possíveis de futuro.

Como em um lar, as cidades são construídas para nos sentirmos a vontade, felizes com o que vemos. Mas nem sempre esse é o sentimento que elas despertam em seus moradores, afinal, o que vivemos é uma construção compartilhada, uma paisagem urbana coletiva.

Contemplando a urbe, um fio condutor une a visão que arquitetos tem das cidades e edificações. Eles conseguem em sua maioria identificar o que causa desconforto ou harmonia nos que nela vivem e circulam. Todos os cidadãos, apesar das diferenças entre si, têm que ter atendidas necessidades como locomoção, segurança e lazer. Além das funcionalidades de urbanismo, o espaço urbano tem valores intangíveis, sensações que se refletem nas pessoas e os arquitetos teorizam e avaliam.

Proponho uma reflexão importante que envolve toda a cadeia da construção civil: o que nós arquitetos deixaremos para o futuro? É um exercício de consciência de que somos coautores da cidade, do cenário em que vivemos e o das próximas gerações. Com este sentimento atávico, quando o arquiteto vê sua obra acomodar-se como um líquido no espaço a ela reservado, na realidade, não simplesmente projetou mais uma edificação, mas, compôs o microurbanismo da rua, do bairro, e ali cumpre-se sua razão de ser.

Paulo Henrique Rodrigues - Diretor ExecutivoPaulo Henrique Rodrigues
Arquiteto | Diretor Executivo da Stemmer Rodrigues e Presidente da AsBEA-RS

Apartamento Chopin | Casa&Cia

Apartamento Chopin | Casa&Cia

O Apartamento Chopin foi capa do caderno Casa&Cia de Zero Hora. Confira um trecho da matéria abaixo e a versão completa aqui.

O projeto deste apartamento de 360 metros quadrados precisou agregar elegantemente um piano de cauda. A proprietária do imóvel, musicista, solicitou à arquiteta Ingrid Stemmer, do escritório Stemmer Rodrigues, uma área social integrada.

– A ideia foi proporcionar uma grande área de convívio com diferentes funções, em que os moradores pudessem receber amigos para almoços ou jantares, conversas ou para ouvir boa música ao piano – explica Ingrid. Ao entrar no apartamento, o visitante é conduzido por um tapete composto por dois tipos de mármore travertino romano, polido e bruto, em uma mescla com porcelanato offwhite. Esta entrada foi cuidadosamente compartimentada com uma divisória de marcenaria em MDF com pintura automotiva

Chegando ao estar, encontramos o ponto focal do projeto – um recanto que acolhe harmoniosamente o piano de cauda preto.
– Para que tivéssemos uma boa acústica, o móvel ao lado do instrumento recebeu formas curvas. ste mobiliário, também de MDF e pintura automotiva é utilizado como chapelaria e também para guardar partituras – conta Ingrid. A questão acústica foi privilegiada em outros aspectos do projeto como na utilização de tapetes felpudos de fios de seda e cortinas de tecidos que absorvem o som.

Fonte: Redação Casa&Cia (Susiâni Silva)

Apartamento Chopin - Casa&Cia Zero Hora

 

 

Casa La Plage | Zero Hora

Casa La Plage | Zero Hora

“Com a lógica invertida, casa de praia traz área de convívio no segundo andar”

“Este projeto no litoral norte inverte plantas convencionais para que a família possa contemplar a praia sobre as dunas”

A vontade de um casal de veranistas de ter uma vista panorâmica permanente do mar, a partir da sua casa de praia, tornou-se possível pela proposta original dos profissionais do escritório Stemmer Rodrigues Arquitetura. Ingrid Stemmer, Paulo Henrique Rodrigues, Roberto Stemmer e Luciana Medeiros assinam o projeto para esta construção de 435 metros quadrados, em um condomínio de Xangri-lá.

Matéria completa no site de Zero Hora

Dinâmica em curvas | Art Concept Decor

Dinâmica em curvas | Art Concept Decor

Projeto de interiores da Stemmer Rodrigues, para uma cobertura na região Metropolitana de Porto Alegre, foi destaque na revista Art Concept Decor. Confira trecho da matéria:

Luxo é o termo que melhor define o projeto assinado pela arquiteta Ingrid Stemmer, desenvolvido para um jovem casal de empresários recém-casados e sem  filhos. A tecla start foi apertada quando o edifício ainda estava na planta. As intervenções que se seguiram resultaram em sensação de amplitude, garantida por meio da integração de cômodos. A arquiteta teve plena liberdade para alterar a ideia original. “Havia mais pilares e vigas do que eu gostaria. Mesmo assim, fiz a proposta como o cliente desejava, e, depois, lapidei tudo, cuidando com as compatibilizações técnicas”, conta a profissional.
 
Moderno e contemporâneo, o projeto tem como principal característica a sinuosidade aliada ao estilo despojado. predominantemente branca, com piso, forro e marcenarias, a residência possui caráter atemporal, privilegiando a continuidade dos espaços, física e visualmente. Com um total de 266m² em dois andares, o apartamento conta com 20 ambientes.